Páginas

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

O cinema e a arte cinematográfica como influência direta na vida moderna

  • Você já assistiu a um filme e chegou a pensar que aquela história retratava a sua vida?
Imagine-se assistindo a um filme que se encaixa perfeitamente em sua vida, onde
você se identifica através dele encontra uma saída,um jeito de aprender e crescer,
favorecendo a si e aos outros.Não e incrível?

  • como um exemplo disso pode citar a seguinte história:

No filme A Rosa Púrpura do Cairo(1985), a personagem interpretada por mia forrow
vive exatamente essa situação de indivíduo influenciado sendo que pela indústria
Cultural. Na trama Cecília, uma garçonete apaixonada por cinema, acaba envolvida
numa delas com um personagem fictício que ganha vida ao sair da tela. Tom Bexter é
um personagem do filme "The Purple Rose of Cairo" que se encanta pela
telespectadora e decide viver com ela no mundo real.Durante o reboliço causado por
essa situação,Cecília acredita estar mesmo vivendo uma história que só seria possível
na ficção e não consegue decidir se estar ao lado de um personagem irreal é melhor
do que viver ao lado do ator que o interpretou , o galã Gil Shepherd. As consequências
da influência do cinema na vida da garçonete acabam por levá-la a perder o emprego,
deixar seu marido e,por fim ,ficar seu grande amor. O que lhe resta é voltar ao
cinema e se contetar com a felicidade de personagens como se fosse a dela mesma.

O cinema causa grandes marcas em nossas vidas e nos faz viajar para um mundo
de sonhos em que tudo que mais queremos estão sendo realizados.
Como por exemplo: Qual mulher nunca sonhou em encontar um amor,como no
filme um amor para recordar?
Ou quem não sonhou em ser herdeira de um trono em um pequeno pais,como no
filme diário de princesa ?
Ou seja são inúmeras outras coisas que nos levam a cada vexz mais a encontrarmos
nos filmes(nesse mundo de ficções)vidas melhores ,com pessoas melhores e nos
fazem desejos e tentar torna-los reais.

Como um bom exemplo dessa influência pode-se citar também,O protagonista do livro
O Ultimo trem(Marcos Simas), O Miguel sua vida se confunde com cenas,trechos e
falas dos clássicos do cinema. O mesmo foi criado no Cine Vera Cruz, mas aconteceu
uma crise que subitamente fecha esse cinema e Miguel é obrigado a enfretar o
mundo fora das telas. Onder sua vida muda basicamente ele tem uma certa dificuldade
de viver fora daquele mundo onde estava acostumado,melhor dizendo acomodado,
em mundo onde o cinema era sua vida o seu maior prazer.

È você? Já pensou que alguns filmes podem estar te influenciado como aconteceu
com Miguel?

Será que isso está acontecendo de forma negativa ou positiva ?
pense nisso,reflita...

Até a próxima!

Tema: O Governo Collor e sua política monetária – consequências diretas no Brasil.

Em março de 1990, encerrou-se o ciclo de produção da Embrafilme, quando o presidente eleito Fernando Collor acabou com o Ministério da Cultura – que passou a ser parte do Ministério da Educação – e deu fim a políticas culturais que vinham sendo praticadas pelo Estado. No caso do cinema, Collor extinguiu a Embrafilme (órgão responsável pelo financiamento, co-produção e distribuição dos filmes nacionais) e o Concine (órgão responsável pelas normas e fiscalização da indústria e do mercado cinematográfico no Brasil, controlando a obrigatoriedade da exibição de filmes nacionais). A extinção desse modelo, sem sua substituição por outra política para a produção de filmes, fez com que o cinema brasileiro sofresse uma drástica queda em sua produtividade, chegando a níveis alarmantes: em 1992, por exemplo, apenas três filmes brasileiros foram lançados, contra uma média de oitenta produzidos por ano durante a década de 80.
O encerramento do ciclo da Embrafilme frustrou os sonhos de muitos cineastas, como Miguel, porém fez com que o campo do cinema brasileiro se mobilizasse e procurasse novas formas de relacionamento com o Estado, na tentativa de encontrar alternativas de sustentação para a realização cinematográfica.

sábado, 25 de setembro de 2010

Tema: Impeachment e a vinda do Neoliberalismo.

No livro, a personagem Deise fala com Miguel sobre o dinheiro das poupanças preso e algumas consequencias que isso causou.

“– Miguel – começou a dizer carinhosa, mas firme. – Você sabe que a vida está difícil pra todo mundo. Os negócios estão parados, o dinheiro preso. Vimos ontem no jornal que tem gente morrendo de desespero. Gente que estava com alguma transação em andamento e não pode concluir ou simplesmente perdeu a oportunidade da vida.”

Página 90.

O dinheiro preso foi um dos motivos para pedirem o Impeachment do presidente Fernando Collor que aconteceu em 1992.

“Produto da mídia, o jovem alagoano Fernando Collor trai a população, confisca poupança e sofre impeachment.”

O duro Plano Collor não deu certo, e a administração do jovem presidente, que ficou mais conhecido por suas excentricidades, foi marcada por escândalos de corrupção, registrando mais de 20 acusações. O confisco da poupança foi o principal.”

Alunos: Ingrid Tavares, Rodrigo Barros e Rubia Nicz.


Obs: Professor Calixto, eu, Pedro Vianna da Côrte postei esse trabalho para o grupo E do 1° ano como ajuda e favor para o tal.


quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Tema: A ingenuidade e o declínio da mesma em função da vida moderna – Aspectos sociais e psicológicos.
Sub-Tema: Miguel impressiona-se com a apresentação de Angelina e Juanito.

Neste momento do livro em que Miguel sente-se desolado devido o potencial risco de Jackson roubar seu dinheiro, a personagem deixa a pensão com todo seu dinheiro, seja de valor ou não, em um tipo de polchete improvisada. No caminho, relembra vários momentos de toda sua vida dentro do Cine Vera Cruz, em que ele apreciava vários filmes, como sempre fazia.
Miguel ao ver a apresentação de Angelina, os caminhos se cruzam. A história dos dois, a partir daquele momento, será ligada pela paixão por filmes. Miguel se sente emocionado, pois o fez lembrar-se dos filmes de Chaplin - que já havia esquecido por um tempo. - que inspiraram a apresentação de Juanito e Angelina. Miguel aprecia bastante o show, dando tudo que podia ser de valor para a dupla de artistas de rua, fazendo Juanito aumentar sua cobiça e demonstrar seu outro lado para Angelina, um que ela jamais havia visto, mas que estava prestes a conhecer da forma mais difícil.

Extras:
No filme “Cantando na Chuva”, Don Lockwood apaixona-se pela personagem Kathy Selden, no momento em que ela se apresenta para uma reunião de figuras importantes do cinema daquela época. A cena assemelha-se muito ao sentimento da alegria de Miguel ao assistir o show de Angelina. Empolgação e uma sensação de esperança, já que a carreira de Don Lockwood também estava em declínio.

Devido a problemas de incorporação, o link para a cena segue abaixo.


Integrantes do grupo: Lucas Freitas, Ana Carolina Oliveira, Ricardo Trotta, Lucas Umbelino, José Carlos ‘‘Zeca’’ Betim e Bruna Siciliano.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Influência do capitalismo no modelo de vida das pessoas

Todos os dias nós seres humanos acordamos de uma noite de sono (ou não) para enfrentar mais um dia penoso, cruel, estressante que um dia de trabalho. É logico que há aqueles que amam o que fazem, tem suas carreiras indo de vento à polpa; há também aqueles que trabalham enquanto a cidade dorme, e algums que simplesmente não fazem nada de vidas.

O que todas essas pessoas tem em comum, é o fato de elas trabalharem por dinheiro. O dinheiro que é o fator tão essencial em nossas vidas hoje em dia nessa sociedade capitalista, tão importante que algums chegam a comparar com o ar que respiramos. Talvez seja por isso que pessoas matam pessoas morrem, pessoas ignoram seu senso de humanidade, passam a viver como ditadores, ou a viver como escravos, tudo isso pelo capitalismo, pelo dinheiro.

O fato é que a lei da selva predomina nesse meio, o mais forte sempre vence, comanda, manda no mundo. Um exemplo disso é o "Sr. Estados Unidos", o grande ditador do mundo, quase tudo o que temos ou sonhamos ter, tem digamos uma "mãozinha" norte americana. Nossas vidas foram dominadas por um padrão social totalmente diferente da nossa realidade em função das influências do país mais capitalista do mundo. Suas empresas invadiram nossos espaços urbanos e até rurais; quem nunca foi no Wall Mart, Mc Donald's? Quem nunca bebeu uma Coca-Cola?Mas uma coisa que infelizmente também existe e não é de hoje é ate a arte estão tentando capitalizar. Nada contra você fazer um quadro e ganhar milhões de reais por isso, ou compor uma cação que vire hit nacional enquanto sua conta bancária só cresce. O que não devemos aceitar e a banalização arte, fazer arte com um único proposito de fazer dinheiro; a arte vem dos nossos corações, das nossas almas, e quanto vale uma coisa assim?

Dinheiro, dinheiro e mais dinheiro é o que eles pensam, nenhuma forma de revolta, revolução, amor e paz. Talvez seja por causa dessas pessoas que a corrupção cresce cada dia mais, a pirataria tomou conta da industria e tantas outras coisas de ruim que nos afetam, isso tudo esta ligado com a falta de compromisso para com uma coisa tão verdadeira e onisciente que é a arte.

A esperança para esse mundo cão(se é que existe uma) esta em pessoas que não aceitam essa banalização artística e a cada dia fazem sua arte uma forma de revolução, uma forma de lutar contra esses sistemas. Criam selos independentes, formas alternativas de construir coisas, usam de seus quadros, histórias e até mesmo revistas o poder que a sociedade precisa para se erguer moralmente e dizer não a quem quer que nosso mundo além de pobre e egoísta não fique também "falso".

Alunas:Lina Cristina, Aline de Araújo, Manuelle Triani, Aimée Freitas, Yngryd Caroline.

Grupo: A 1°ano

3° Parte: Reflexão sobre a influência do Capitalismo no estilo de vida das pessoas !
Grupo A 2° Ano

A vida real não acontece em uma página em branco, interage com sociedades, culturas, economias e com o meio ambiente. O sistema capitalista modificou quase que completamente o modelo de vida das pessoas. No sistema capitalista o objetivo é mantes os preços baixos, com as pessoas comprando os produtos em constante movimento, como eles mantem os preços baixos? Pagam salários baixos aos trabalhadores, restringem os acessos aos seguros de saúde, tudo se resume em exteriorizar os custos, o verdadeiro custo da produção não se reflete no preço, em outras palavras não pagamos aquilo que compramos, outro dia estive pensando nisso, estava indo ao colégio e queria ouvir as noticias por isso entrei numa loja para comprar um radinho de pilha, encontrei um pequeno rádio verde, legalzinho que custava R$7,99, na fila do caixa pensei, como sete reais e noventa e nove podem refletir o custo da produção e transporte desse rádio até ele chega às minhas mãos, o metal deve ter sido extraído na África do Sul, o petróleo provavelmente do Iraque, o plástico produzido na China e talvez montado por uma criança de 15 anos numa fábrica do México, R$7,99 não paga nem o aluguel do espaço ocupado na prateleira, nem parte do salário do empregado que me atendeu ou viagens de navio e caminhão que o rádio fez. Foi assim que eu percebi que eu não paguei o valor do rádio. O coração de todo o sistema é o CONSUMO, é por isso que após o 11 de setembro, quando os EUA estavam em choque, o presidente Bush poderia ter sugerido fazer luto, rezar, ter esperança, mas não ele disse para fazerem compras. Tornamo-nos uma nação de consumidores, nosso valor é medido e demostrado pelo quanto consumimos, já reparou que quando compra um computador a tecnologia muda tão rápido que em poucos anos torna-se quase um “impedimento para comunicação”? Porém por outro lado jogamos coisas fora que são plenamente útil apenas por serem feias e velhas, por isso se comprou suas coisas a uns anos todos percebem que você não contribuiu para o consumo e como nosso valor depende dessa contribuição isso pode ser embaraçoso, por exemplo: se eu tiver o mesmo monitor de computador gordo e branco e a minha colega tiver comprado um computador novo ela vai ter um monitor plano, brilhante que combina com o computador, celular e até com as canetas, ela parece está operando uma nave espacial e já eu uma maquina de lavar. A moda também é um bom exemplo, já se perguntou por que os saltos dos sapatos das mulheres passam de largo para fino em um ano e no próximo de fino para largos? Não é por haver um debate sobre qual deles é mais saudável, é porque usar saltos largos em um ano de saltos finos mostra que você não contribuiu diretamente para o consumo e por isso não vale tanto quanto a pessoa de saltos finos ao seu lado é para comprarmos sapatos novos.

Hoje em dia temos mais coisas, porém menos tempo para o que realmente nos faz felizes, amigos, família, tempo livre, e sabe qual é a atividade que mais praticamos no pouco tempo livre que temos? CONSUMIMOS!

Por: Pedro Vianna, José Evandro, Matheus Alonso, Peter Prado, Victor Hugo, Lucas de Castro

domingo, 19 de setembro de 2010

Análise Semanal III

Um trabalho sério e constante gera resultados expressivos.

A vinda do escritor Marco Simas eu tinha certeza de que se tornaria um ícone, um divisor de histórias em nossa Escola. Aproximar o escritor e mostrar a vicissitude da vida literária têm suas compensações. Ao longo da data da vinda do escritor - último dia 11 de setembro - até a data de hoje, recebemos a visita de mais de 400 pessoas que olharam e pesquisaram nosso site e fomos mencionados em uma breve nota no Publish News - um informe sobre o mundo da produção literária, que aqui no Brasil é representado pela Folha de São Paulo. 

Alunos vão à escola no sábado para encontrar o escritor.

Estamos todos no caminho certo. E saiba que um trabalho de pesquisa é de evolução lenta, pouco gradual, onde se lê muita coisa e pouco é aproveitado. Percebi pelas angústias que muitos apresentaram ao longo dessas duas semanas. Bem vindo, todos, ao mundo da pesquisa. Mas o que já conquistamos de retorno é algo muito maior do que se podia esperar para um trabalho como esse. Nessa semana mesmo o modelo dessa nossa pesquisa foi apresentado à Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. O próprio Simas, quando eu o levava à Rodoviária, afirmou algo assim para mim: Calixto, você tem noção do que o teu projeto tá alcançando?, e juro que fiquei sem saber o que responder. Apenas afirmei, de maneira leviana e com certo temor no peito, que o projeto é uma mescla entre várias linguagens e formas de publicação e que para evitar verter um prazo específico preferi o blog como um bom elo entre educação e velocidade. 
Meus queridos, o que temos em mãos é uma possibilidade de divisão de águas até na maneira como se ensina literatura. Minha intenção, desde o início, era criar aquela aceleração no processo de evolução intelectual, que percebi ser necessário desde o início do ano. Estamos participando de um projeto, idealizado pelo professor que aqui escreve, mas potencializado pela clara capacidade de compreensão de vocês, que pode se tornar um ícone na história da educação brasileira. Sei que pode ser um tanto utópico o que falo, pode até ser um devaneio, mas estamos diante da uma possível mudança de paradigmas. E talvez sejamos um exemplo, uma das formas de se criar essa divisão.
Porém, ainda precisamos de alguns pequenos ajustes. Há grupos que ainda capengam em suas publicações. Cada um dos que li apresenta algum tipo de erro de gramática, tanto na casa de concordância, da acentuação ou de qualquer outro nível. Há outros erros, como a não adequação à apresentação típica da postagem, como colocar alguma parte do livro. Alguns grupos não estão colocando. Chegamos também ao momento em que aqueles filmes a que assistimos na sexta devem começar a compor o trabalho de vocês. Também estamos perto do fim da parte virtual do trabalho. Ao longo da semana das provas, eu estarei fazendo o levantamento das notas da produção e da qualidade desses trabalhos. A nota será publicada aqui no próprio blog, de acordo com aqueles critérios já aqui demonstrados.
Por isso, ainda estou dando esta última semana como o tempo certo para vocês equilibrarem o que ainda está pendente. Corram contra o tempo. Vocês ainda podem recuperar nota. 

Continuem nesse caminho. Sei que vocês têm muito a aprender, mas é sempre pelo erro, pela experiência, que começam a se evidenciar as formas de acerto. Por isso, entro como um elo entre o erro e a chance de acertar. Vamos buscar esse equilíbrio, pois bons resultados sempre vêm aos pouquinhos.

Um Beijo.

Prof Márcio Calixto.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

CONSEQUÊNCIA NA ARTE DO BRASIL

A secretaria da cultura , durante o ano de 1990 , desenvolve ações de proteção , conservação e revitalização de bens culturais , com a imprescindível participação da sociedade e a descentralização nas formas de implementação da política preservacionista .

As principais atividades na área de preservação do patrimônio cultural , foram :
_ Realização de 23 projetos de obras de emergia em monumentos pelo patrimônio histórico e artístico nacional , em 8 estados da federação .
_ Realização de obras de restauração e conservação no museu nacional de belas artes , no museu histórico nacional , na casa rui barbosa e na casa da hera e reinauguração do museu do açude .
_ Realização de exposições , seminários e publicações promovidos pelos museus e casas históricas vinculadas á secretaria do paraná.
_ Inauguração no Rio de Janeiro , do espaço cultural " esquina da memória viva " , centro de documentos e informações sobre o patrimônio cultural brasileiro .
_ Conservação e divulgação do acervo bibliográfico , documenta e iconográfico da bibliográfica nacional.
_ Execução de projetos sobre a influencia do negro na formação da sociedade brasileira.
No que tange á produção e difusão cultural , buscou-se redefinir o papel do estado na área , incentivando-se a participação empresarial nas atividades . privilegiando-se de ações voltadas para a pluralidade , diversidade e competitividade entre os produtores , a par disso , o governo tem envidado esforços para assegurar proteção aos direitos gerados pelas atividades culturais .

Na área de produção ,foram executados diversas atividades , entre as quais sobressaem :
_ Elaboração do anteprojeto de lei sobre regulamentação e desenvolvimento do complexo audiovisual ( cinema e vídeo ) , tendo em vista extinguir a reserva de mercado e substituir o financiamento a produção e distribuição de filmes a partir da renúncia fiscal especiais de crédito , abrangente todas os produções culturais.
_ desenvolvimento de atividades de fiscalização do mercado video gráfico abrangendo o registro de 1068 empresas e a distribuição de 6,8 milhões de etiquetas para o registro de filmes e vídeo .





Grupo 5 - 1 Ano - João Paulo , Lucas Correa , Caio , Jhonatan

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

O Impeachment e a vinda do Neolisberalismo.

No decorrer da leitura do livro e das pesquisas que fizemos vimos que muitos saíram prejudicados com o mandato de Collor, por exemplo, no livro o Miguel, que era um projecionista com sonhos e esperanças que se foram em um piscar de olhos, perdeu seu lar e local de trabalho por não conseguir manter os gastos, e com a entrada de novas empresas e a privatização das que já possuíamos, se tornou mais difícil competir com a concorrência e pior ainda com a inflação.
Contudo, ninguém desistiu de sair vitorioso desse desastre econômico que estávamos passando, e com a pressão que o Collor estava tendo e com os erros que cometia que só fazia piorar, nenhum cidadão aguentou e correram atrás de seus direitos e pediram o impeachment de Collor, que após um tempo e um sufoco populacional com o roubo de Collor que pegou um “empréstimo” nas contas de bancos e poupanças dos cidadãos e acabaram ficando sem as migalhas que possuíam, finalmente conseguiram o que queriam o impeachment e após um tempo a inflação foi se estagnando e a vida das pessoas foi melhorando principalmente a de Miguel.
Postado por:Jonathan Vargas, Isabella Mafei e Luiza Castro

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Tema: A ingenuidade e o declínio da mesma em função da vida moderna – aspectos sociais e psicológicos.

My Lack Of Skill (tradução) The Early November

Toda a minha vida, eu esperei por algo maravilhoso
Aqui estou eu com nada para mostrar
E tudo que eu quero, sim, isso é tudo que eu quero ?
NÓS
Eu perdi a minha chance talvez, a um mês atrás
Eu esperei muito mas comecei a pensar
Eu perdi meu tempo porque sempre pensei que eu estava
errado

E é difícil ser sozinho quando você é ingênuo
E você só quer acreditar em tudo que todo mundo diz
Oh, seria ótimo se eu simplesmente pudesse lhe dar com
isso

Eu estou arrumando quase tudo
Eu estou me mudando e começando de novo
E tudo que eu quero, talvez tudo que eu quero, é amor
E se fosse isso, tudo seria maravilhoso
Mas eu não posso andar sem estar perdido
E eu não sei, estou pensando, tudo que eu sei é nós

E é difícil ser sozinho quando você é ingênuo
E você só quer acreditar em tudo que todo mundo diz
Oh, seria ótimo se eu simplesmente pudesse lhe dar com
isso

E é difícil ser sozinho quando você é ingênuo
E você só quer acreditar em tudo que todo mundo diz

http://www.youtube.com/watch?v=ckNJ2BGlpKg

A simplicidade, singeleza, candura, inocência, com que Miguel manifesta naturalmente seus sentimentos, seu excesso de credulidade me faz lembrar bastante de uma musica na qual se trata de um rapaz que diz que é difícil ser sozinho quando se é ingênuo, e concordo com ele, tanto que me desperta, pois ambos (tanto livro como musica) retratam a “dificuldade” de lidar com a ingenuidade e a falta de uma companhia.
Miguel após a morte de Fabiano sente-se sozinho demais e com o coração partido ao achar que fora traído por Deise e Jackson, sai em busca da realização de seu sonho e nesse caminho encontra Angelina, que aos 16 anos se depara (ao fugir de casa) com a liberdade que tanto desejava. Ela acabou ajudando-o a perder um pouco da sua ingenuidade exagerada e lhe fazendo companhia, coisa na qual o rapaz da musica tanto procura, e Miguel sente-se bem com a companhia de Angelina, pois nela vê a filha que ele nunca teve e uma companheira para a busca da realização do seu sonho.

Postado por: Thais Azevedo, Kátia, Alessandra, Raíza e Mariana.

sábado, 11 de setembro de 2010

Encontro do Escritor com a Escola.

Não vou negar que foi surpreendente.

Foi de tirar o fôlego - tanto meu quanto do escritor - impressionado com as perguntas.

Tudo foi maravilhoso!

Tudo!

Aqui vai um linkzinho.

Um beijo a vocês.

http://tr.entrega.whservidor.com/index.dma/DmaPreview?1825,18,388,dd706b0f6d0b88adc9c553e53341ce3c

Tema: Impeachment e a vinda do Neolisberalismo.

Subtema: Neoliberalismo assume a excelência.

A afirmação feita por parte das elites no Brasil, via meios de comunicação, para diminuir o valor das manifestações populares, é que houvera uma manifestação espontânea, apenas com o anseio por um país ético e sem corrupção; tratava-se de dar continuidade ao conteúdo de seu programa neoliberal.

Ao nos aproximarmos de uma década do impeachment de Fernando Collor nos postamos a analisar quais as conseqüências do impedimento momentâneo da aplicação do neoliberalismo no Brasil. Hoje nos deparamos com a construção de um argumento e a sua generalização na sociedade: que o impedimento de Collor deveu-se à ação da mídia como instrumento das próprias elites para substituí-lo. O senso comum é que o impeachment de nada serviu, pois o país continuou na mesma situação social. Há uma despolitização desse fenômeno com justificativas éticas como único elemento fundamental da inédita cassação do mandato presidencial.

Em nosso 'post' sugerimos três elementos fundamentais para o melhor entendimento desse fenômeno: a divisão das elites, a ação dos meios de comunicação (em especial a imprensa escrita como formadora dos argumentos para a substituição de Collor) e o movimento das massas da forma espontânea para uma direção consciente de entidades, partidos, e personalidades envolvidas na luta política.

É nesse contexto que o neoliberalismo assume a excelência, sendo apontado como a matriz ideológica mais adequada para conduzir as forças modernizantes e impulsionar a dinâmica social na direção de uma nova ordem.

Alunos: Ingrid Tavares, Paulo Lacerda, Rodrigo Barros e Rubia Nicz.

Influência do Capitalismo no modelo de vida das pessoas - retrato dos anos 1990 até hoje.

No mundo atual vivemos em um sistema capitalista presente no dia-a-dia de cada indivíduo. Para conseguir se ajustar à sociedade, as pessoas devem ter uma renda estável e considerada digna de sustento.
No livro O último trem, encontra-se uma personagem que passa por esse dilema, Miguel, que ao ter o cinema, onde passou grande parte de sua vida, fechado é obrigado a se adaptar a um mundo desconhecido. Sem emprego e com uma pouca quantia de dinheiro, no qual grande parte não tinha valor, viu a necessidade de procurar um meio de sobreviver em uma sociedade capitalista em que a pessoa é julgada não pelo o que é, mas sim pelo o que tem.
Em baixo segue em anexo um vídeo curto, porém, resume a lamentável realidade que se vive nas últimas décadas. Quem tem acesso a bens e serviços possui tudo, e quem não possui, vai para o abismo dos miseráveis.

Uma alternativa que muitos optam para se manter nesse mundo é entrar para uma vida criminosa, como Juanito, também personagem do livro. Juanito se apresentava em praça pública para conseguir o tão importante dinheiro, mas para ele não era o suficiente, portanto, também furtava bens do seu público. O que é muito visível na atualidade, pessoas roubando, matando etc.
Podemos então perceber que esse sistema capitalista é desigual não favorecendo todas as classes sociais, onde grande parte é prejudicada. E essa alternativa de Juanito e de muitos outros é uma tentativa de melhorar a distribuição de renda.
Alunos: Aline de Araujo, Manuelle Triani, Aimée Freitas, Lina Cristina e Yngryd Caroline.
1º ano
Grupo A

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O cinema e a arte cinematográfica como influência direta na vida moderna

Miguel e sua vida projetando filmes

Miguel era um apaixonado por filmes, ele trabalhava projetando filmes para as pessoas assistirem, muitas vezes ele assume que assistia o filme sozinho quando ninguém estava la, ele tinha muito orgulho em trabalhar nessa área.

Em uma passagem do livro Miguel encontrou seu ídolo jack que fez um tal filme, ele o admirava bastante, tanto que ele sabia cada fala do filme.

Ele pensava em filme quase 24hs por dia, na verdade via filme em tudo, nas ruas, na sua vida, nas pessoas, mas isso nao acontece só com miguel, ocorre na vida de muitas pessoas, podem ocorrer mudanças boas ou trágicas como foi relatado na publicação anterior.

No livro relatam mudanças ocorridas nas vidas dos personagens, iremos falar sobre isso mais pra frente.

grupo: Graziela, Nathalia, Thayane, Tatiane e Sabrina.

Tema: A ingenuidade e o declínio da mesma em função da vida moderna – aspectos sociais e psicológicos.

Sub-tema: Angelina conhece Juanito e inicia o processo de fuga da sua vida atual.

A adolescência é uma fase onde o jovem quer ter voz e direitos de uma pessoa adulta, mas quer responder como criança. Adolescentes ao redor de todo o Brasil e o mundo tem o desejo de fugir da própria vida, de problemas em casa, problemas no colégio, o desejo de independência e também adquirir mudanças corporais. Alguns deles não desejam fugir e outros tem forte influência dos amigos. Angelina é incluída neste grupo.
Fortemente influenciada por Juanito, a garota começa a arquitetar os prós e contras de fugir com o seu novo “Dom Juan”, achando que teria uma vida mais tranquila do que em casa com a mãe que mal se importava com ela e o padrasto, que tentou estuprá-la, ambos tinham más relações com ela, levando-a a fugir.
O pensamento de Angelina é ingênuo porque apesar dela dizer que a vida fora de casa será um pouco difícil, ela ainda tem a falsa ideia de que, com Juanito por perto, a vida poderá ser mais fácil, mesmo que a probabilidade de algo der errado seja grande.

Sub-tema: Miguel conhece novas pessoas e adquire um novo lugar para morar.

Após não ter mais um lugar para morar, Miguel conheceu Deise e foi morar em uma pensão. A mudança e as feridas recentes da perda do Cine Vera Cruz deixam Miguel extremamente confuso e ainda mais com a presença de Deise, sendo esta comparada a uma bela atriz de Hollywood e a Jackson, pessoa que ele confunde com a personagem Jack Wilson. Sua ingenuidade é tamanha que ele sequer sabe o que fazer para passar o tempo dentro da pensão, preso a limpar seu projetor e remontar as imagens de filmes favoritos.
Mesmo depois de ter encarado um novo mundo, Miguel ainda pode ser considerado inocente para o resto do mundo, pois mesmo depois de perder tudo aquilo que mais prezava, ele ainda continua algemado a sua realidade alternativa que criou dentro da própria mente. Um lugar onde ele se sente protegido de tudo e de todos.

Membros: Lucas Freitas, Ricardo Fernandes, Ana Carolina Oliveira, Bruna Siciliano, José Carlos ‘‘Zeca’’ Betim e Lucas Umbelino.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Análise Semanal II

Depois de três semanas de início de nosso projeto, ainda há grupos QUE NADA PUBLICARAM POR AQUI. Independente do que seja explicitado, isso só demonstra um desapego ao próprio futuro ou uma despreocupação com o próprio crescimento intelectual. Como foi dito no início, esse é um projeto longo, para aprendermos a fazer uma leitura minuciosa e completa. Em função desse ponto é que entra o nosso projeto de filmes às sextas feiras. É um adendo, uma nova questão, que se soma à leitura e serve para crescermos. Podem ter certeza de que mais cedo ou mais tarde aqueles filmes que estamos vendo entrarão como parte da composição do trabalho. Ainda estamos no processo de captura de informações para a escrita do trabalho final. 
Mas vamos à análise do que está sendo colocado aqui. 

1o. - É clara a diferença da qualidade de textos que vocês estão postando em nosso site. O que eu andei lendo é preocupante. A parte que vocês tiram de sites e colocam aqui como textos de vocês não apresenta um erro sequer de gramática. Mas na parte que vocês escrevem, há vários erros grosseiros de uso de nossa língua. 

Por exemplo, 
Erros do post de Sexta-feira: 
1) relaciona-se a Era Collor - essa parte é para ter Crase.
2) no qual faliu por falta de dinheiro - a palavra anterior ao pronome relativo - cinema - é um advérbio de lugar, mas o pronome relativo que aparece nesse trecho aqui NÃO PRECISA DE PREPOSIÇÃO, pois funciona como sujeito, logo não pode ser preposicionado. 
3) cujo já tinha pagado o primeiro mês. - esse erro, então, é o mais grave. Pronome relativo Cujo só pode aparecer se houver um SUBSTANTIVO APÓS, ou seja, deveria ser escrito assim, CUJO MÊS JÁ TINHA  SIDO PAGO. 
4) ate conhecer Angelina - nesse trecho ATÉ aparece sem acento. 

Erro do post de Quinta feira
O impeachmnte e a vinda do Neoliberalismo - o título apresenta erro de digitação. 

Erro do post de Terça feira

Encontramos diretamente com a ingenuidade - ou se escreve: encontramo-nos diretamente com a ingenuidade ou encontramos diretamente a ingenuidade. Cuidado com a regência. 

E neste mesmo post, fala-se sobre um link que não aparece. 

Por favor, ao fazerem uma postagem, tenham um cuidado extremo com aquilo que escrevem. Um texto que não apresenta coesão e coerência demonstra um teor de irresponsabilidade. Esses textos estão sendo lidos diariamente por pelo menos 30 pessoas que acessam e analisam o que vocês estão escrevendo. Se o problema é organização do grupo, que haja alguém que faça esse processo de leitura e de correção, pois os erros aqui são crassos e bobos. 

Ao momento, temos os seguintes grupos que nada postaram:

GRUPO B - 2o. ANO
GRUPO D - 1o. ANO

Organizem-se, pois a apresentação escrita desse trabalho aqui está contando mais da metade dos pontos totais do trabalho. 

Para deixar clara essa pontuação, aqui segue como será feita:

TOTAL - 10,0 

Sendo que: 

Presença nas seções de cinema: 1,0
Uso da temática dos filmes na composição do trabalho final: 1,0
Pesquisa do tema: 2,0
União do tema ao livro: 2,0
Trabalho escrito: 2,0
Participação Individual : 2,0

No terceiro bimestre, a pontuação virá diretamente daqui do site, da qualidade do que estão apresentando, da assiduidade com a publicação e com a pluralidade de informação que apresentam. No quarto bimestre, essa mesma pontuação migra para o trabalho físico, digitado, impresso e entregue à análise final. Não se esqueçam de que esse trabalho está sendo validado para Língua Portuguesa, Literatura, Redação - a priori - e possivelmente por outros professores da área de humanas. 

Fiquem atentos ao que coloquem aqui no site. Preocupem-se e muito com a qualidade do texto. Aprendendo agora, desde cedo, mais fácil será quando na faculdade estivermos. 

Espero que tenham claramente entendido. 

Um abraço e esperando pelas postagens. 

Prof Márcio Calixto.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

O cinema e a arte cinematográfica como influência direta na vida moderna

Uma pessoa pode ser influenciada por filmes?
A resposta é
sim, apesar, não é de hoje que a arte influencia a vida das pessoas, as músicas, as obras literárias, o cinema, TV e basicamente os livros da nova geração de escritores brasileiros têm papel importante na formação de opiniões e na constituiçao do comportamento dos jovens. No japão um exemplo é o anime, faz tanto a cabeça das pessoas que a fazem se vestir como os personagens, por causa disso se criou até eventos que existe no mundo todo de pessoas fantasiadas irem disputar pela melhor fantasia e representaçao de seu personagem,nao só la como outros lugares tambem, pois eles levam a sério que chegam até a sair nas ruas fantasiados.

A televisao, talvez mais que os outros meios, age padronizando a população nesses últimos tempos, mas, alguns anos atrás esse poder pertencia ao cinema, porem isso nao quer dizer que o cinema nao vem influenciando a cabeça da garotada, como por exemplo a saga crepúsculo que virou febre entre alguns jovens, e como pode-se provar isso?

lembra na época em que a maioria das pessoas tinham em mente que o vampiro só apareciam nas telinhas para fazer o mal e fazer filmes de terror... pois é, os tempos mudaram, agora muitas garotinhas pensam que vai chegar um Edward Cullen em suas vidas, o vampiro de seus sonhos... rsrsrsrs

...continuando...

a importancia dos filmes, as vezes é para provar o costume em um determinado lugar, e as vezes com a sua forma de tratar-nos como simples observador somos induzidos a acompanharmos a moda que estamos vendo nos filmes, assim as pessoas ficam imaginando como seria se estivessem lá e com vontade de serem como seus personagens preferidos.

Um exemplo que podemos citar é uma triste história influenciada pelo filme Matrix.

O enredo causou polemica, nao só pela autenticidade e criatividade, como também pela violência excessiva. Alguns adolescentes, nos EUA se vestiram como os personagens do filme e invadiram uma escola, balearam e mataram alguns colegas.

A mente desses adolescentes ligada ao filme queria viver uma realidade identica ao do filme.

Pois, se você gosta muito de algum personagem, goste com moderação.

feito por: Sabrina, Nathalia, Thayane, Tatiane e Graziela
1º ano

sábado, 4 de setembro de 2010

O Governo Collor e sua política monetária - consequências diretas no Brasil.

Política monetária

Anunciado em 16 mar. 1990, dia seguinte ao da posse de Fernando Collor de Melo na Presidência da República, o Plano Collor ou Plano Brasil Novo combinou a receita heterodoxa clássica da época (congelamento de preços e salários e reforma monetária) com um bloqueio de liquidez destinado a resgatar a eficácia da política monetária, comenta Luiz Sérgio Guimarães . Parte mais traumática do Plano, o bloqueio de liquidez efetuou-se por meio do processo de conversão da moeda antiga (cruzado novo) para a moeda nova (cruzeiro), na base de Cr$ 1,00 para cada NCz$ 1,00. Cada pessoa pôde fazer a conversão imediata de apenas Cr$ 50 mil, ou US$ 1.300,00 à época. O restante permaneceu depositado em cruzados novos, em conta bloqueada mantida em nome de cada correntista nos bancos, à ordem do Banco Central do Brasil. Essa conta só pôde ser usada para pagamento de tributos ou por meio de “transferência de titularidade”, para pagamento de dívidas entre correntistas. Após 18 meses, o saldo da conta em cruzados começou a ser convertido em cruzeiros e liberado em 12 parcelas mensais.

Foi isso que aconteceu com Miguel no livro . Quando Fabiano morre ele tem de pagar o quarto a Deise , mas quando Deise vê o dinheiro que ele guardou durante anos , percebe que pouco ainda tem valor .



“ - Infelizmente, Miguel, o dinheiro que você guardou, que mostrou a Deise, não tem mais valor. Assim como agora o governo mudou a moeda, deixou de ser cruzado novo e voltou a ser cruzeiro, isso foi feito durante anos, muitas e muitas vezes. Era preciso ter trocado as cédulas. (...)
- Quer dizer que meu dinheiro não vale nada ?- perguntou Miguel depois de um arrepio.
-É verdade, Miguel. De tudo o que você tem, muito pouco ainda guarda valor.
Subitamente todo o peso da vida, da idade e do trabalho transpareceu no rosto dele. Seu mundo aluiu. “

Grupo : Carolina Maia , Juliana Lenine , Ingrid Pancote , Karine Almeida , Carolina Machado

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

O Governo Collor e sua política monetária - consequências diretas no Brasil

Prometendo atender os anseios de um povo recém saído do Regime Militar (1964 – 1985), Fernando Collor de Mello tomou posse da cadeira de Presidente da República em 1990. Sendo um político de articulação restrita, Collor montou um ministério recheado de figuras desconhecidas ou sem nenhum respaldo para encabeçar os desafios a serem resolvidos pelo novo governo.

Logo depois de sua posse, Collor criou um plano de recuperação da economia arquitetado pela ministra Zélia Cardoso de Mello. O Plano Collor previa uma série de medidas que injetariam recursos na economia com a alta de impostos, a abertura dos mercados nacionais e a criação de uma nova moeda (Cruzeiro). Entre outras medidas, o Plano Collor também exigiu o confisco das poupanças, com valores superiores a 50 mil cruzeiros, durante um prazo de dezoito meses.

A recepção negativa do Plano Collor pelos setores médios e pequenos investidores seria apenas o prenúncio de uma série de polêmicas que afundariam o governo. Além de não alcançar as metas previstas no plano econômico, Collor ainda se envolveria em um enorme escândalo de corrupção. Conhecido como Esquema PC, as práticas corruptas do governo Collor foram denunciadas pelo próprio irmão do presidente, Pedro Collor, e publicadas nos mesmos órgãos da imprensa que tinham dado apoio à sua candidatura.

Com uma crise econômica somada a uma crise política, Collor foi alvo de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que conseguiu provar as irregularidades a ele atribuídas. Sem nenhuma base de apoio, Collor ainda foi pressionado por uma imensa campanha estudantil que exigia o fim de seu mandato. Com seus rostos pintados de verde, amarelo e preto estudantes de diferentes cidades do país se mobilizaram no movimento conhecido como “Caras Pintadas”.
Logo após sua posse, o presidente lançou um plano econômico profundamente
recessivo, que bloqueou as contas bancárias, extinguiu setores inteiros da administração
pública e demitiu milhares de funcionários. O Plano Collor também iniciou um
processo de abertura econômica que mudava os padrões econômicos adotados no Brasil
desde o período Vargas, por se basear no modelo neoliberal. A enorme recessão, o
retorno da inflação e o aumento do desemprego começaram a indispor a opinião pública
com o presidente, que perdeu popularidade.
Em 1982, o irmão do presidente, Pedro Collor, fez uma série de denúncias à revista
Veja sobre corrupções no governo, envolvendo, além do próprio presidente, sua mulher
e seu tesoureiro de campanha, Paulo César Farias. O Congresso Nacional determinou
uma Comissão Parlamentar de Inquérito que foi desvendando o enorme esquema de
corrupção que dominava o governo; nas ruas, multidões pediam o impeachment do
governo. Finalmente, em 29 de setembro de 1992, o Congresso Nacional votou a
destituição de Collor por 441 votos contra apenas 38, encerrando um dos mais obscuros
Nas ruas, estudantes exigem o fim do Governo Collor.

O livro o’’ Último Trem’’ relaciona-se a Era Collor no qual Miguel perde o seu dinheiro, através da trocas de verbas (de cruzado para cruzeiro, que era uma nova moeda).
Miguel por toda sua vida foi criado em um cinema, no qual faliu por falta de dinheiro, pois estava ocorrendo uma crise econômica no governo de Collor. O ingênuo Miguel fora “expulso” do seu pequeno mundo e o seu ‘Deus’ o Fabiano, o qual deu abrigo e comida e ensinou tudo o que sabia sobre a arte do cinema deu uma verdadeira vida para ele, acabou de falecer.
Deixando-o sozinho sem ninguém, foi morar em uma pensão, cujo já tinha pagado o primeiro mês.
Os dias foram passando, ate conhecer Angelina, em que sempre via seu espetáculo na praça, em que, por sinal apresentava muito bem o papel de Carlitos.
A crise alia era para todos ate aqueles que dependiam da rua para sobreviver, e dos outros para que desçam o seu dinheiro e como a vida não estava tão essas coisas, por obra do destino, houve esse encontro de um cara que gosta de ser cineasta com uma que quer ser atriz mas n a oportunidades, uma grande emoção, pelo menos para o Miguel, q foi surpreendido pelo o roubo que por sua vez havia pouco dinheiro, mas o único.
Miguel sem dinheiro em plena crise Collor, no qual n sabia o que era direito, foi procurar empregos em vários cinemas, batendo com o cara na porta, sem arrumar emprego ele volta.
Sem destino, sem rumo o que ocorreu com muitos por causa dessa terrível crise.



Postado por:Juliana Carvalho e Thais Alexandre Albernaz.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O impeachmnte e a vinda do Neoliberalismo

O neoliberalismo se mostrou muito presente na década de 1990 durante o período do governo de Fernado Collor



No governo Collor, no início da década de 1990, os produtos importados passaram a invadir o mercado brasileiro, com a redução dos impostos de importação. A oferta de produtos cresceu e os preços de algumas mercadorias caíram ou se estabilizaram. Os efeitos iniciais destas medidas indicavam que o governo estava no caminho certo, ao debelar a inflação, que havia atingido patamares elevados no final da década de 1980 e início da década de 1990, mas isso durou pouco tempo.

Ao mesmo tempo, o governo passou a incentivar os investimentos externos no Brasil mediante incentivos fiscais e privatização das empresas estatais. No entanto, estes investimentos chegaram um pouco mais tarde, dado o receio dos investidores frente à instabilidade econômica do país naquele momento.

E para saber mais sobre o neoliberalismo e só acessar o link abaixo




Grupo:Luiza Castro,Isabella Mafei,Jonathan Vargas,Leonardo Neves e Nickolas Lyra.
Postado por:Leonardo e Nickolas.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

O cinema e a arte cinematográfica como influência direta na vida moderna.

Na década de 1990, Collor extinguiu a Embrafilme e o Concine, a extinção desse modelo, sem sua substituição por outra política para a produção de filmes, fez com que o cinema brasileiro sofresse uma drástica queda em sua produtividade. Em sua história de mais de cem anos, o cinema brasileiro não conseguiu se tornar uma atividade autossustentável.

Miguel vivenciou essa mudança, pois presenciou o fechamento do cinema do qual trabalhava e se dedicava inteiramente. Na reconstrução da sua vida, conhece novos amigos e compara-os às personagens dos filmes que assistia. Vai à procura de emprego e se decepciona ao ver a crise cinematográfica atingindo outras salas de cinema sem oportunidades de trabalho na sua área. Fica decepcionado com o vai e vem das pessoas na rua, sem tempo para se divertirem assistindo bons filmes como os clássicos que ele exibia.

O cinema, sendo ele uma máquina incansável dos tipos mais comuns e distintos da humanidade, pode ser considerado o meio mais propagador de moda, costumes, idéias, conceitos e pré-conceitos. A popularidade do cinema é indiscutível. A chamada “sétima arte” já reproduziu os mais variados tipos de personagens ou histórias. Sendo uma das principais fontes de informação do mundo, este meio tem a capacidade de nos transportar ao passado, especular o futuro, recriar vidas, além de nos mostrar idéias novas, debater questões sociais e muitas vezes criticar a sociedade.


Alunas: Ana Caroline, Sandy e Thais Stussi.